sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

If I could Fly


Se eu pudesse voar,
rasgava o céu com as próprias mãos,
punia o virus que me infecta,
esvoaçando como uma seta,
e não perdia mais tempo a chorar
por uma coisa que não tem mais volta a dar.

Se eu pudesse voar,
escondia o vinho tinto
para que não o pudesses espalhar
com as tuas asas poluídas
que utilizas para amar.

Oh... se eu pudesse voar...
Há tantos erros que quero modificar,
que preciso, para a minha vida transformar
num novo sonho, numa nova esperança
para os pensamentos fatais deixar:
quero voltar a ser criança.

Lia ;D

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Natal ;)


Neste natal, eu quero ajudar
os que nada têm para me ofertar.
Neste natal, eu quero sorrir
para aquele que não se quer despedir,
e que não tem lugar nehum onde ficar.

Porém, é tão dificil preencher o vazio
que o desespero deixa, sombrio!
E os lábios, tão frios que entristecem
a vida infeliz dos que padecem
Por guerras, um horrendo desafio!
E os corpos mutilados na areia
vermelha, deste infectado vinho tinto!
neste lugar, o natal serve-se frio,
por vezes morto, apático ou faminto.

Todavia, o natal é o sol, um anjo, a vida,
a liberdade de expressão concedida
para sussurrar, para cantar
o rasgar dos céus e a luz estrelar,
a esperança de voltar a amar.
Por tudo isto e muito mais,
ajudemos não só a sonhar,
mas sim a concretizar um Natal,
para que a vida de todos seja mais celestial,
para destruir o ódio e todo o mal,
e para o rebento transformar
numa árvore especial:
uma aldeia mundial,
onde o natal é celebrado a amar.

O amor, o calor,
a alegria do natal
deveria de florescer:
um novo amanhecer,
para todos os povos,
e para todo o nosso ser.

Lia :))))

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Avó


Neste mundo de inocentes sorrisos e de grandes emoções, vagueava eu, como um som, uma melodia – a ópera. Oh..... A ópera…

Maravilhada com o que ouvia, lia e relia os papeizinhos de agradecimento e as flores bonitas que ofereciam á minha avó: túlipas, gladíolos, papoilas… E o que ela gostava de papoilas! Sempre, ao anoitecer, contava-me as suas histórias, nos grandes palcos do Alentejo, no que ela cantava ao som do rio, nos veados, nos peixes e nas borboletas que ali passavam, nos au-au dos cães, e nos piu-piu dos pequenos pardais. Porém, em qualquer uma das histórias, cabia sempre á papoila o papel principal: era a estrela do musical. Nas histórias da minha avó, ela esvoaçava como o vento, dançava com o seu longo vestido vermelho nas ruelas do destino. Palpitava no coração da minha avó, como se fosse parte dele.
Bem, voltando á ópera de Berlim…. O que eu gostava da liberdade da harpa, sussurrando aos pássaros que ali poisavam para sonhar. O que eu gostava do murmúrio das teclas do piano, falando entre elas a conversa da melodia eterna. E a voz da minha avó! Divinal…. Magnífica… Celestial. Destacava-se de todas as outras. Era realmente uma das melhores vozes da música clássica. Já fomos a Paris, a Londres, a Viena de Áustria, a Veneza, a Milão…. E todos os reis e rainhas, aquelas grandes pessoas mergulhadas em ouro e jóias preciosas, convidavam a minha avó para as noites dos seus serões majestosos. Aquela foi uma das noites, em que, na grande ópera de Berlim se juntavam as mais conservadoras pessoas da sociedade. Não seria certamente qualquer um que conseguiria pagar um único bilhete para ouvir a voz sonhadora da minha avó! E a forma como ela cantava… Ela esperou e trabalhou tanto para ter o que tem agora… Preenchia-me o espírito e elevava-me a alma. Chorava, por vezes, por não conseguir cantar tão bem como ela, e pelo modo com que ela cantava! Emocionava tudo e todos. Oh, e quando ela cantou Patris Dominicus… Foi aí que ganhou o prémio de melhor cantora lírica da Europa. Eu estava lá, sempre a apoiá-la. Levava o meu pequeno violino, o meu pequeno tesouro, o qual estava a aprender a tocar á cerca de dois anos. Naquela altura, eu questionava a minha avó sobre muitas coisas. Questionava-a acerca da magia das estrelas. Perguntava-lhe se o piano tinha alma, se era um ser vivo como nós, pois era demasiado belo para ser apenas uma simples “coisa”. E lá ia eu, contente, sem nunca me cansar de ouvir a minha avó, a sua visão acerca de tudo, a sua alma triunfante e sonhadora. Os seus sonhos falavam mais alto do que qualquer coisa, do que qualquer outra força. E sempre foi por isso que ela conseguiu alcançar os seus objectivos, e será assim que ela continuará a sonhar e a concretizar os seus sonhos.
Era por isso que a admirava, que a adorava, e que ainda a adoro, a ela, e á sua voz. Uma voz onde bailavam os pincéis, as tintas de óleo de minha mãe, o palco das telas resplandecentes. E assim se sucedeu a ópera: uma pintura musical.

Lia.

sábado, 10 de dezembro de 2011

Amor Exótico




Existe um lugar
onde podia morrer.
A Rússia é linda,
O que me faz viver.

Sem ele não consigo,
sem ele não respiro.
Sem ele não posso admirar
O valor da vida e a beleza do mar.

E quando acordo de manhã
Com o meu lábio frio,
ele aquece-me com um sorriso,
preenchendo este vazio
que se derrete em mim
juntamente com um arrepio
de amor, enfim.
A vida é um desafio.

E no momento mais sombrio,
olho para ele, vejo-me a mim.

Na lógica dura das teclas do piano
o amor acontece, por fim
e o coração rompe a verdade.
Surge um momento de liberdade.

Lia.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Vida depois da vida - crónica

Esta é uma crónica sobre o espiritismo e a vida depois da vida. Fi-la o ano passado. Espero que
gostem :)


Para muitas pessoas, o facto dos espíritos e das almas dos seus entes queridos que já faleceram ainda vaguearem por este mundo é apenas uma ilusão. Porém, nem todos estão de acordo com esta conclusão. Não será a nossa imaginação a sonhar e a chorar os nossos entes queridos que faleceram, sobrepondo-se á ciência? Ou será que os fenómenos paranormais são reais e que existem decerto indivíduos com o dom de observar, dialogar e colaborar com espíritos?

É certo que a pura saudade e o verdadeiro amor são dois sentimentos que se podem transformar em grandes ilusões, como o facto de ver e dialogar com espíritos. Para esta conclusão, entrevistei uma psicóloga, que me deu a mesma opinião que referi à pouco sobre a saudade e sobre o amor.

Eu concordo com esta reflexão, nalguns casos. Mas, e se existirem mesmo pessoas com a capacidade e com o dom de ver e dialogar com espíritos? Na minha opinião, e por experiencia própria, sim, existem. São chamadas videntes, as que conseguem adivinhar o futuro através das almas e dos espíritos, ou então as espíritas, seres humanos que conseguem comunicar com falecidos, para obterem informações sobre eles, com o objectivo de informarem os seus familiares.

Certamente que muitas pessoas sem esse dom “inventam” só para ganharem riqueza. Mas as que realmente conseguem exercer esse extraordinário acto, nunca pedem dinheiro aos seus clientes, porque simplesmente os queres ajudar.

Muitas séries, como “O dom”, um programa apresentado aos sábados á noite, na TVI, são histórias imaginárias sobre fenómenos paranormais. Por outro lado, existem outros programas, como “Depois da vida” que faz questão em que acreditemos que uma senhora inglesa cujo nome é Anne, consegue falar com almas de pessoas que já faleceram. Eu cá não acredito. E não acredito por uma única razão: como é que essa senhora fala com verdadeiros espíritos, se, teoricamente, eles são portugueses e falam português e se essa excelentíssima senhora fala apenas e purisimplesmente inglês? Só faltava dizer que Deus traduzia o que os espíritos diziam para que a madame conseguisse compreender… Caros amigos, esse programa é uma autêntica e extraordinária FRAUDE!

Também foi publicado um livro, em 1981, chamado “Vida depois da vida”, de Raymond A. Moody JR., que relata uma investigação sobre a sobrevivência á morte física, ou seja, a experiência de morrer, de sair do seu corpo, e, de seguida, de voltar á vida humana. Foi escrito com testemunhas, que, estando em coma, presenciaram o fenómeno de morrer e de ressuscitar.

E por último, para finalizar, na minha opinião, existem espíritos e seres humanos capazes de os ver e de dialogar com eles, mas também existem pessoas que se aproveitam da situação, que julgando-se videntes, só para ganharem riqueza e dinheiro. Assim vos digo que devemos acreditar no que queremos acreditar. Sejam cautelosos em que acreditam, e saibam em quem devem acreditar.

Lia.

O meu primeiro amor

Este poema é dedicado ao meu primeiro namorado, ao meu primeiro amor, o qual não esqueci muito rápido, pois, apesar dele me ter feito algumas coisas como atirar-se á minha melhor amiga depois de termos acabado, não impediu que eu continuasse a gostar dele durante muito, muito tempo :)

Lembrei-me deste poema, pois estava a procurar um trabalho e encontrei-o no meio da papelada toda. Este texto ja deve ter para aí um ano ou dois e foi escrito no meu primeiro choro por um rapaz ... lol espero que gostem ;D

Apenas quero que saibas

Que tu deste significado

À palavra amor,

Que quando estou contigo

Sinto-me o alvor

De um amanhecer conquistado

Por um desejo justificado

Pela paixão e pelo calor...

Mas quando não estou,

Um sentimento indecifrável

Invade o meu coração.

É insuportável!

Quero estar contigo,

És a minha paixão.

És maravilhoso

Não consigo deixar de te amar,

Um amor vitorioso,

Onde o sentimento

Nos vai abraçar

Para nos conceder

O dom de beijar

Na harmonia da fraternidade…

PS – descobri que

O sentimento indecifrável

Se chama SAUDADE.

Lia.

sábado, 26 de novembro de 2011

E caí no fundo novamente.



E caí no fundo mais uma vez.

Só que desta vez não foi tão doloroso,
tão angustiante.
Desta vez nem pensei muito no assunto,
não foi marcante.

Deveria de estar triste,
mas não sinto um grande vazio.

Deveria de estar aborrecida, chateada com o destino,
mas continuo a pensar que a vida é celestial.

Deveria de estar a rezar para ele voltar,
mas não sei se isso é o melhor para mim.

Deveria de estar a chorar,
mas não me interessa que seja o fim.

Apesar de não ser a mesma,
da minha vida voltar ao que era,
não sei se estarei melhor assim.
Lia.


sábado, 12 de novembro de 2011

Para os rapazes que querem conquistar uma rapariga ...

Resumindo , se quiseres conquistar uma rapariga, segue estes passos:

Quando ela está sozinha na escola, vai ter com ela.

Quando ela encara a tua boca, beija-a.

Quando ela te empurra e te bate como uma maluca só porque pensa que é mais forte do que tu, agarra-a e não a largues.

Quando ela começa a resmungar contigo e agir mal, beija-a e diz-lhe que a amas.

Quando ela estiver silenciosa, pergunta-lhe o que se passa.

Quando ela te ignora, dá-lhe a tua atenção.

Quando ela se afasta, puxa-a de volta.

Quando ela olha para si mesma e apenas vê o seu pior, diz-lhe que ela é linda.

Quando a vires a chorar, apenas abraça-a e não digas nada.

Quando a vires a andar, aparece atrás dela e abraça-a pela cintura.

Quando ela estiver assustada, protege-a.

Quando ela te roubar o teu blusão favorito, deixa que ela fique com ele durante a noite.

Quando ela brincar contigo, brinca também com ela e fá-la rir .

Quando ela não te responder por um longo período de tempo, assegura-te que tudo está bem.

Quando ela olhar para ti em dúvida, enche-te de certezas.

Quando ela te disser amo-te, ela faz muito mais do que podes compreender.

Quando ela segurar as tuas mãos, segura as delas e brinca com os seus dedos.

Quando ela for contra ti, vai contra ela e fá-la rir.

Quando ela te contar um segredo, guarda-o e não o contes.

Quando ela olhar para os teus olhos, não desvies os olhos até que ela o faça.

Quando ela disser que está acabado, ela ainda quer que tu sejas dela.

Quando ela postar esta nota, ela quer que tu a leias.

Fica ao telefone com ela mesmo que ela esteja calada.

Quando ela estiver zangada, abraça-a com força e não a largues.

Quando ela disser que está bem, não acredites, conversa com ela porque ficarás sempre na sua memória.

Telefona-lhe à meia noite no dia do seu aniversário e diz que a amas.

Trata-a como se ela fosses tu, o que te é muito importante.

Fica acordado a noite inteira quando ela estiver doente.

Vê com ela o seu filme preferido mesmo que não gostes.

Deixa-a usar as tuas roupas.

Quando ela estiver aborrecida, vai sair com ela.

Deixa-a saber que é importante.

Não fales acerca de outras mulheres perto dela.

Beija-a na chuva.

Quando ela for ter contigo a chorar, a primeira coisa que deves dizer é: “a quem devo bater, amor ?"

Dá-lhe o mundo.

E o mais importante, mostra-lhe que a amas.

Isto é mesmo muito raro ;D

Verdadeiro amor ...


Dedico esta mensagem a um amigo muito especial. Uma pessoa muito importante para mim, uma pessoa que nunca esquecerei: (tu sabes quem é xp)

Um dia alguém me disse:

" Lia, ouve! Não é isso! Deixa-me explicar...
Quando te vi pela primeira vez, lá no curso de teatro, pensei que fosses uma rapariga normal, igual a todas as outras que conhecera anteriormente.
Mas, quando te conheci melhor, quando começá-mos a falar, a minha opinião mudou radicalmente. Foi aí que te descobri, que olhei para ti de outra forma, e que reparei que és uma miuda fantástica, muito bonita, corajosa, impecável, única ... e para além disso, depois de te ouvir cantar e tocar piano na minha casa, apaixonei-me completamente por ti. Sonhava contigo todas as noites, massacrava-te todos os dias com o "vá la Lia" ou o "Por favor, dá-me uma chance", não parava de pensar em ti, só imaginava o dia em que os teus lábios iriam cruzar com os meus, para uma nova vida começar. Tu eras tudo o que eu tinha. Eras tu que me davas a felicidade, á muito procurada, á muito perdida, á muito desejada ...
Mas depois, quando soube que tinhas namorado, (e não me interessa que tenhas começado a namorar á uma semana) eu senti-me completamente injustiçado, pois tive dois meses atrás de ti, para nada, ou muito pior ... Ainda por cima conheceste-o á pouco tempo, e já namoram ...
Agora diz-me, por favor, porque é que não gostas de mim?" ...

( ... )

Como deves calcular, isto comoveu-me imenso, e como não te respondi correctamente, vou fazê-lo agora.

Eu sei que sempre gostaste de mim, eu sei disso, e sei o quanto gostaste apesar de pensares que não. A verdade é que te vejo apenas como um amigo, um verdadeiro amigo, Gui, o meu melhor amigo neste momento. E também sei que estás a sofrer muito, pois eu passei exactamente pelo mesmo á umas semanas atrás, lembras-te? ...
Mas
desculpa por tudo.
Desculpa se alguma vez fui bruta contigo. Desculpa se alguma vez te disse alguma coisa que nunca deveria de ter dito. Desculpa se alguma vez falei sem pensar, sem ver que te estava a magoar. E, principalmente, desculpa por não gostar de ti da maneira que queres que goste ...
Mas eu tenho a certeza que vais ultrapassar isso, e vais encontrar alguém que te ame mesmo, alguém que faça o mesmo que me fizeste a mim. Alguém tão especial como tu, Gui.
Porque tu não mereces sofrer assim.
Eu não mereço que sofras por mim.
Nunca te esqueças que és um miúdo fantástico, muito original, engenhoso, e principalmente, uma grande pessoa, que até nos momentos mais difíceis da vida, nunca perde o sorriso. E isso é o mais importante.
Agora por favor, volta a falar comigo como falavas antes. Continuamos a ser os melhores amigos, e eu não quero perder a tua amizade, pois és muito importante para mim ...
Em relação à injustiça, essa tocou-me mesmo no coração. Eu percebo o que estás a sentir ...
Não sei mais o que dizer.
Obrigada por tudo,
Gosto muito de ti ...
Adoro-te como amigo.

A tua confidente,
Lia.


sábado, 5 de novembro de 2011

Salva-me meu anjo...


Salva-me meu anjo,
Salva-me desta solidão
Que me percorre o coração.
Pega na minha mão,
Dá-me coragem
Para enfrentar o meu destino
Sem dizer que não.

Salva-me meu anjo
Desta inocente canção
Que corrói a minha paixão,
O amor que tanto espero
À muito procurado,
À muito terminado.

Salva-me meu anjo
Daqueles seus olhos verdes
Olhando para mim
Suavemente, eternamente,
Beijando-me com o seu olhar,
Com um toque de esperança
Para um novo mundo despertar
Pois eu apenas quero amar.

Amar... será pedir
Muito, meu anjo?
Será a sombra do passado
Que não me deixa continuar?

Mas o mistério do futuro
Ainda tem muito para revelar.

Para mim, meu anjo,
Dá-me a força necessária
Para um dia viver,
Orar, ceder
À felicidade do horizonte
Que me espera rever.

Salva-me meu anjo,
Antes do amanhecer...

The Dawn...


Por momentos pensei que não sobreviveria.
Por momentos quis apagar tudo, toda a vida que ainda existia em mim,
Tudo o que sempre quis, os sonhos que ainda tinha
Desapareceram com este inferno que parecia não ter fim.
Mas
Quando tudo estava negro e obscuro,
Quando acordei com os lábios frios e a face pálida,
Quando foi quase tarde de mais para voltar a trás,
Apareceste, e, com o teu toque leve e sonhador
Salvaste-me das chamas que me consumiam dia após dia,
Deste-me de novo a alegria.
Uma nova esperança.
Um amor de criança,
Correndo pelas ruelas do destino
Enfrentando as sombras do passado
Das quais me larguei após te ter conhecido.
Um novo amanhecer ...


Lia.



segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Amar é dar, receber, perguntar......


Vejo-te,
neste momento eterno e sonhador.
Sinto-te,
para comigo ficar a dor
de um dia infeliz
irradiado pela solidão do meu olhar
esperançado pelo teu calor,
abraçando-me suavemente,
porém, sem nada me dar.
E aqui choro,
sem rumo, sem rota, sem remos na harmonia,
para um dia te encontrar,
encontrar aqueles olhos verdes
olhando para mim,
dizendo que a nossa amizade vai terminar
para num novo mundo começar,
para o amor entre nós poder durar,
e para sempre,
no teu coração poder ficar
a amar, a sonhar,
a completar...
...a esperança de em algum lugar
podermos concretizar...

domingo, 23 de outubro de 2011

Receita para um dia feliz...



Em primeiro lugar, retire todos os ingredientes do seu coração, para verificar se não falta nenhum.

De seguida, coloque sete copitos de felicidade, o ingrediente principal, num tacho ao lume. Deixe-o aquecer, bem no centro do tacho, para que a receita ganhe paladar. Juntamente, coloque a vivacidade. Talvez três colheres de chá resultem, da verdade.

Depois, coloque uma colher de sopa de emoção positiva. Deixe o ingrediente espalhar pelo tacho, e misture tudo com uma colher de sonhos. Deixe um pouco de coragem para viver, para o bolo não se pegar ao tacho, e retire as preocupações que se foram criando ao longo da acumulação dos ingredientes.

Depois, coloque duas medidas de paz interior (as medidas estão dentro da embalagem da consciência), para o produto crescer. Deixe a fermentar entre quinze a vinte minutos.

De seguida, coloque cinco colheres de sopa de sorrisos. Claro, o que seria deste bolo sem um único sorriso? Estaria descoberto, como uma frágil árvore de folha caduca, aquecida por um sol invernil …

E, para finalizar, recorde-se de enfeitar o seu precioso bolo com carinho, amor verdadeiro, amizades únicas e um pouco de rebeldia. Mas seja cuidadoso, não a coloque em excesso!
E assim, sirva o seu bolo, ainda quente, num prato de bons momentos. Alimente o seu tacho interior, e aprecie a receita, pois não são todos os dias que se encontram á venda os ingredientes necessários para este manjar.

sábado, 22 de outubro de 2011

Dia de Vazio...


Hoje decidi que me vou fechar no meu mundo, para as portas do exterior... Decidi que o grande portão que me permite atravessar para lá do Mundo, hoje não se irá abrir...

Nem hoje, nem enquanto a penumbra pairar sobre as minhas paredes...
Hoje não quero nenhum momento de ternura: preciso de me fechar numa grande e profunda concha... Preciso de me rever e de interiorizar que caminho seguir...
Hoje não quero que a felicidade ocupe lugar na minha mente (e considero-me uma pessoa feliz!) ...
Mas hoje? Hoje não!Hoje quero perceber o que fazer, que caminho seguir e quero morrer para viver de novo....
Tenho dentro de mim um tormento que não consigo descarregar, e tudo parece tão simples para alguns....
E é tão difícil para mim... Hoje queria explodir, rebentar, e não deixar rasto...
Quero afastar-me, pois não entendo o sentido de te ter ao meu lado....
Hoje eu vesti-me de negro, por dentro, e não consigo sorrir...
Não aguento e sinto-me cansada de tentar perceber o que não tem explicação...
Sinto um vazio tão grande...Sinto que, às vezes, não vale a pena....
Sinto que, nem sempre, consigo ser tão forte como aparento... e isso irrita-me. (Eu é que devia mostrar-te que sei viver sem ti, mas não... Tinhas que me prender, tinhas que me fazer ser aquela menina frágil, que eu odeio ser...)E agora, como vai ser?Agora, quem vai lutar?Será que ninguém vai perder?E por que tem de ser assim?Tenho medos, inseguranças, dúvidas que me sobressaltam...
Intervaladas pela certeza do que sinto...
Mas sugadas pelo medo e pela ausência que se vai tornando constante....
Aqui ficam os pensamentos de uma louca que julga que, ultimamente, todos os seus dias são dias de vazio.....
E um dia, será que vais sentir saudades? Um dia, que seja...
Só um, para eu também conseguir ver essa tua fragilidade...."Nunca me vais perder..." - dizes...Não sei.... Fica a incerteza no ar, certificada por um perfeito vazio....Esse fica para sempre.....
e um dia, eu também ficarei....
...Mas não por muito tempo, pois o meu destino enfrentarei...
...E para junto da arma eu irei...

O primeiro post




Em primeiro lugar quero agradecer a todos os que lêem os meus textos e que gostam, mas também àqueles que não se interessam muito pela poesia ou pela prosa, mas que mesmo assim, os lêem e os sentem no coração.
Bem... é o primeiro post e não sei o que deva dizer... Chamo-me Lia e sou uma pessoa que tem grandes sonhos.
Por outro lado, sou uma pessoa bastante sensível (choro em quase todos os filmes e não queiram saber por quantas horas eu chorei devido ao Titanic...), e penso que isso se deve ao meu apego pelas artes... Digamos que as artes são a minha vida, ou a música, para ser exacta  Toco piano há 9 anos, e é o que quero seguir
da minha vida... Acho que o piano me transforma em quem eu realmente sou, e não imagino a minha vida sem o meu velho amigo Yamaha ;) Para além disso também tenho uma obsessão por desenho, canto, fotografia, escrita criativa, cosplay ou qualquer outro tipo de arte que se lembrem.
Bem, e esta é a altura de vos contar porque criei este blog. Eu adoro escrever, por isso precisava de um amigo, alguém que estivesse lá para me apoiar nos momentos difíceis (e nos momentos felizes também). Porém, devem-se perguntar porque lhe dei o nome de December... Dezembro é o meu mês preferido, amo o inverno e tenho pirofobia.
Mais uma vez, obrigada por lerem os meus gritos de socorro, alegria ou tristeza, todos aqui.
Deixarei o meu e-mail se me quiserem contactar: erika.lianne.brook@gmail.com
Um feliz dia para todos,
Lia.